Bancos recomendam que seguranças bancários não usem WhatsApp durante serviço

Recomendação foi dada por especialistas da Polícia Federal e pelo consultor de segurança da Caixa Econômica Federal, Rosalvo Cordeiro

f45ade7f-47ba-4d50-8d83-1a138fb03009
Os profissionais que atuam em segurança de bancos não devem mais utilizar o Whatsapp e outras mídias sociais em agências bancárias, Correios e outros estabelecimentos do gênero. A recomendação foi dada por especialistas em segurança da Polícia Federal e pelo consultor de segurança da Caixa Econômica Federal, Rosalvo Cordeiro, durante seminário sobre segurança bancária realizado neste último final de semana em Natal.
O evento, que ocorreu no Praia Shopping, contou com a participação de representantes da Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Polícia Federal e especialistas em segurança da Interfort, um das maiores empresas de segurança do Rio Grande do Norte.
Segundo os especialistas que participaram do seminário, o segurança de banco tem que ficar, durante todo o seu turno, atento a movimentação dos clientes que entram através da porta giratória dos bancos.  “Há casos recentes de que o uso de whatsapp por seguranças de bancos não só facilitou, como proporcionou alguns assaltos em agências bancárias em vários estado, inclusive no Rio Grande do Norte”, revela o especialista em segurança José Reinaldo dos Santos, responsável pelo setor operacional da Intefort na região Nordeste.
Segundo ele, caberá as empresas do setor aplicar, junto aos seus funcionários, as recomendações quanto a não utilização de redes sociais nos turnos de vigilância, conforme  as recomendações do Consultor da Caixa e a própria Polícia Federal.
No seminário, os especialistas também alertaram sobre a questão de eventuais extravios de fardamentos de seguranças de bancos, outro fator que facilita a ocorrência de assaltos. É de responsabilidade do segurança de banco proteger fardas e armas, e em caso de perda realizar um boletim policial e comunicar as autoridades do setor.

Deixe uma resposta