COM GOL NO ÚLTIMO MINUTO AMÉRICA ELIMINA ABC DO ESTADUAL E AUMENTA TABU PARA 12 JOGOS SEM DERROTA PARA O ALVINEGRO

    Com um gol aos 48 minutos do segundo tempo, o América-RN venceu o ABC por 1 a 0 e garantiu os 100% de aproveitamento no Campeonato Potiguar, além de aumentar o tabu de invencibilidade contra o rival. Agora já são 12 jogos sem saber o que é perder.
   O Alvirrubro chegou aos 15 pontos e lidera o Estadual. O ABC ficou com nove e não tem mais chances de título e, com isso, também não se classificou para a Copa do Nordeste.
   Um jogo com ingredientes de clássico. Polêmica, expulsão, catimba, lances bonitos e gol no último minuto. O América buscava manter o 100% no Campeonato Potiguar, enquanto o ABC queria quebrar o tabu de 11 jogos sem vencer o rival.
  Apesar de muita vontade, as equipes criavam pouco na primeira etapa e a primeira chance de gol aconteceu apenas aos 31 minutos do primeiro tempo, quando Lúcio Curió cabeceou e obrigou Andrey a fazer grande defesa.
   Lúcio Curió ainda teve nova chance aos 45 da primeira etapa, mas Andrey novamente fez boa defesa. Do lado do América, Max teve a única chance ao aproveitar cruzamento de Pimpão e mandar para fora.
   O árbitro Marcelo de Lima Henrique foi o centro das atenções ao não marcar dois pênaltis na primeira etapa. Um para o América-RN e outro para o ABC.
Segundo tempo
   A etapa final começou mais tensa e mais faltas aconteceram. Com menos de 20 minutos, três cartões amarelos já tinham saído: dois para o lado do América e um do ABC.
   Aos 23, Pimpão teve boa chance ao fazer jogada individual, mas foi a vez de Bruno Fuso defender.
   O lance mais polêmico foi por conta do técnico Zé Teodoro. Em jogada de contra-ataque, o treinador puxou o braço de Rodrigo Pimpão quando o atacante foi bater o lateral em velocidade. O comandante alvinegro foi expulso por atrapalhar o adversário.
   Quando o empate já parecia certo, Walber apareceu na área, aos 48 minutos, e tocou para fazer o gol do América e garantir a liderança isolada do estadual dos comandados de Oliveira Canindé.

Deixe uma resposta