Lewandowski define em 48 o número de testemunhas de Dilma no Senado

Ricardo Lewandovski

O presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, rejeitou ontem recurso do líder do governo no Senado, Aloysio Nunes (PSDB-SP) e de um dos autores da denúncia contra Dilma Rousseff, o jurista Miguel Reale Junior, que tentava limitar a 16 o número de testemunhas de defesa da presidente afastada em 16, e estabeleceu em 48 o número de testemunhas, oito para cada um dos seis crimes, e não dois, pelos quais Dilma foi denunciada.

Deixe uma resposta