Oposição anuncia boicote a votações na Câmara

Parlamentares de oposição anunciaram que, a partir da próxima semana, vão obstruir na Câmara toda e qualquer votação de plenário.

Sessão-conjunta-da-Câmara-dos-Deputados-e-do-Senado-Federal
O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), foi o porta-voz da decisão que líderes oposicionistas tomaram ontem (sexta-feira) em reunião extraordinária, em meio à nova turbulência política envolvendo próceres do PT.
Parlamentares de oposição anunciaram que, a partir da próxima semana, vão obstruir na Câmara toda e qualquer votação de plenário enquanto o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), não instalar a comissão processante responsável pelo exame do impeachment da presidente Dilma Rousseff.
Depois de cerca de uma hora de reunião extraordinária, feita às pressas na liderança do PSDB no Senado, Aécio voltou a defender o impeachment ou a renúncia de Dilma e comentou os mais recentes capítulos da Operação Lava Jato – entre eles a condução coercitiva do ex-presidente Lula para depoimento na PF e a delação do senado Delcídio do Amaral (PT-MS), que hoje (sexta, 4) pediu licença do mandato por mais 15 dias.
Investigado na Lava Jato e alvo de processo de cassação no Conselho de Ética do Senado, o ex-líder do governo na Casa envolveu, em depoimento ainda não oficializado pela Justiça, Lula e Dilma no esquema de corrupção descoberto pela Polícia Federal na Petrobras.
Para Aécio, Cunha tem de anunciar a instalação da comissão processante já na próxima semana – mesmo diante do fato de que o Supremo Tribunal Federal (STF) anulou, em dezembro, o rito de impeachment e a formação do colegiado responsável por analisá-lo.
Na condição de presidente da Câmara, Cunha recorreu da decisão e, desde então, a demanda está parada no STF. Segundo o senador mineiro, mesmo na condição de réu da Lava Jato no próprio STF, o deputado pode simplesmente colocar o processo em andamento nos termos definidos pelo Supremo.
“Será a oportunidade de vermos a Câmara dos Deputados cumprindo uma prerrogativa que a Constituição lhe delega. Portanto, a partir de segunda-feira (7) vamos discutir os graves problemas brasileiros e permitir a instalação dessa comissão”, declarou Aécio, ao fim da reunião.
Em nota divulgada à imprensa, os líderes de oposição defenderam os trabalhos de investigação da Lava Jato. Na “Nota da oposições”, os parlamentares mencionam as manifestações anti-governo marcadas para 13 de março e convocam a população para, “em paz, ocupar as ruas de todo o país para permitir o reencontro do Brasil com seu futuro”.
“O rigor das investigações e a necessária apuração dos fatos trazidas à tona pela Operação Lava Jato são imprescindíveis para estabelecer a verdade e determinar a responsabilidade de todos os envolvidos no maior escândalo de corrupção da história do país. Os brasileiros têm o direito de conhecer a verdadeira história do país, escondida, durante anos, pelas mentiras, pela manipulação e pela propaganda”, diz trecho da nota.

Deixe uma resposta