Petrobras coloca à venda campos de petróleo na região de Mossoró/RN

A Petrobras colocou à venda dois grandes campos de produção de produção de petróleo na região de Mossoró, no Oeste do Rio Grande do Norte/RN. A informação é da diretoria executiva da Petrobras, que fez o comunicado nesta quarta-feira (02), no Rio de Janeiro.
A companhia informa no comunicado que deu início ao processo de venda dos direitos de exploração, desenvolvimento e produção de petróleo e gás natural de um conjunto de campos terrestres, assim como a venda dos ativos relacionados a essas concessões.
Os campos que serão vendidos pela Petrobras estão distribuídos em dez polos produtores espalhados pelos estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Sergipe, Bahia e Espírito Santo. No Rio Grande do Norte atinge as regiões polos de Macau, na região do Vale do Açu, e Mossoró, na região Oeste.
No RN, primeiro grande campo, que segundo a fonte do MOSSORÓ HOJE (servidor da Petrobras) foi o campo de Fazenda Belém (duas concessões), que ocupa uma enorme área entre as cidades de Icapuí e Aracati, que ficam na divisa do Rio Grande do Norte com o Estado do Ceará/CE.
O outro campo colocado à venda foi Riacho da Forquilha, nas áreas dos municípios de Felipe Guerra, Apodi e Governador Dix Sept Rosado e Upanema (neste caso são 34 concessões). O terceiro campo colocado à venda foi da região de Macau (4 concessões).
A mesma fonte destacou que o principal interessado nos campos da Petrobras nas regiões de Acarati, Icapuí, Apodi, Governador Dix Sept Rosado, Felipe Guerra e Upanema é um mossoroense, que seria membro da família Rosado. Não especificou quem.
Ao todo são 104 concessões de campos terrestres que já produzem uma média de 35.433 barris de petróleo por dia – equivalente a 20% de sua produção em terra – e 1,4 milhão de metros cúbicos de gás natural, informa o Jornal Valor Econômico, que teve acesso ao documento da Petrobras.
A estatal estima que existam 257 milhões de barris de óleo equivalente (entre petróleo e gás) de reservas provadas, prováveis e possíveis (3P) nas áreas que estão sendo oferecidas ao mercado. As reservas possíveis, contudo, envolvem grau de incerteza elevado.
O deputado Fernando Mineiro disse que nesta quinta-feira, 03, terá reunião com a Associação dos Engenheiros da Petrobras (AEPET), em Natal, para tratar da situação. “É uma erro que precisa ser combatido”, diz o deputado Fernando Mineiro preocupado com a situação.
Em Nota, a AEPET se posiciona contra a venda dos campos de petróleo no Rio Grande do Norte, principalmente aqueles ligados diretamente à Exploração e Produção de petróleo.
A Prefeitura Municipal de Mossoró não foi oficialmente informada. O prefeito Francisco José Junior disse que vai se inteirar melhor desta informação nesta quinta-feira e realizar reuniões para discutir. “Fui informação extraoficial e precisamos saber como serão estas negociações”, destaca.
O MOSSORÓ HOJE também fez contato com prestadoras de serviços da Petrobras. E a informação é a mesma. Os campos serão vendidos e o principal interessado é de Mossoró. Eles acreditam que vai aumentar a produção, mas não tem certeza quanto a manutenção de empregos.
A Petrobras afirma que a organização em polos das áreas – espalhadas pelas bacias do Recôncavo, Tucano Sul, Potiguar, Espírito Santo e Sergipe-Alagoas – tem o objetivo de dar “um certo nível de autonomia de operação e otimizar infraestrutura de produção”.
Ainda de acordo com o documento, a Petrobras está disposta também a se desfazer da operação dos ativos e a vender 100% da participação das concessões.

Deixe uma resposta