Renan Calheiros se complica na Lava-Jato

renan eu

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), passou a ser investigado, no âmbito da operação Lava Jato, pelo recebimento de propina no exterior. De acordo com o novo inquérito, assinado pela vice-procuradora-geral da República, Ela Wiecko, as investigações podem confirmar os crimes de “corrupção passiva qualificada e lavagem de dinheiro” oriundo do esquema para roubar a Petrobras.
A delação tem como base a delação premiada de Fernando Baino, acusado de ser operador do PMDB, onde ele explica que a venda da participação acionária da Petrobras na empresa argentina Transener foi articulada pelo lobista Jorge Luz mediante pagamento de propina destinadaa Renan Calheiros e Jader Barbalho (PMDB-PA). Além de Renan e Jader, o deputado cearense Aníbal Gomes (PMDB) também é parte do inquérito mantido em sigilo pela Procuradoria Geral da República.
Segundo Baiano, os pagamentos a políticos do PMDB só se tornaram possíveis com a presença de Nestor Cerveró na diretoria Internacional da Petrobras e a participação de dois ex-ministros argentinos Julio de Vido e Roberto Dromi.
Renan respondia a nove inquéritos, mas na semana passada o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu o arquivamento de um deles. Mas, com este novo inquérito, o presidente do Senado tem novamente nove inquéritos contra ele.

Deixe uma resposta